24.4.09

Artigo IV

Fica decretado que o homem
não precisará nunca mais
duvidar do homem.
Que o homem confiará no homem
como a palmeira confia no vento,
como o vento confia no ar,
como o ar confia no campo azul do céu.

Parágrafo único:
O homem, confiará no homem
como um menino confia em outro menino.

[Thiago de Mello]

.

Um comentário:

a primeira estrela disse...

eu não confio no homem,no ser,não confio nem mesmo em minha própria roupa