27.7.12

 " ... (mas finjo de adulto, digo coisas falsamente sábias, faço caras sérias, responsáveis. Engano, mistifico. Disfarço esta sede de ti, meu amor que nunca veio – viria? Virá? – e minto não, já não preciso)."

Caio F. OESP, Caderno 2, 29 julho de 1987

2 comentários:

Intimidadora. disse...

Sede essa que nunca passa...

Angelo Augusto Paula disse...

Nos finjimos adultos. E sou tão finjido, que minha dor é quase uma verdade.